sábado, 15 de abril de 2017

JOÃO 3:16 - POR QUE DEUS AMOU O MUNDO?




TEXTO ÁUREO: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

1. INTRODUÇÃO

João 3:16 é o versículo mais decorado pelos cristãos. Todavia, poucos pregam sobre ele.  Ele é um resumo fiel de toda a Escritura, da Revelação de Deus para a redenção do pecador. É preciso analisar melhor todo o conteúdo desse versículo para apreendermos a profundidade das verdades que Deus tem para nos ensinar.

2. PERGUNTA DE TRANSIÇÃO

Para compreendermos melhor João 3:16 temos que transformar a sua afirmação em uma interrogação: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna? O que motivou esse amor sacrificial de Jesus?

3. CONTEXTO

1) O v. 16 está dentro de um contexto específico: a visita de Nicodemos e a declaração inicial de Jesus: “se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (v. 3). A conversa entre Jesus e Nicodemos é a mais importante e reveladora do Novo Testamento.
2) Jesus está falando de novo nascimento, de regeneração, que somente o Espírito Santo pode efetuar na vida do pecador. Nascer de novo (gr. anothen, oriundo do alto, de cima), significa literalmente “nascer do alto”, indicando o caráter estritamente divino do novo nascimento, da regeneração.
3) A graça de Deus está presente nesse diálogo, retirando do homem toda possibilidade de cooperação com a obra da salvação, que se dá exclusivamente pela atuação do Espírito Santo (Ef 2:8,9; Jo 16:7-11).
4) Existem aqui duas situações: aquele que nasceu da carne e aquele que nasceu do Espírito.
5) V. 6: carne e Espírito; lei e graça (Rm 5:21; 6:18:22; 7; 8:1-3; 1 Co 15:45; Gl 2:19; 5:25; Jo 6:62,63; 2 Co 3:6; 1 Pe 3:18). Romanos 8:1,2 diz: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte”.
6) Vs. 5,7: novo nascimento, regeneração. Se não houver conversão a Deus pela fé em Jesus Cristo, não há novo nascimento e, consequentemente, não há salvação e a alma perecerá (1 Co 13:11; 2 Co 5:17; Rm 6:4-6; 7:6; 8:9,10; Gl 6:15; Ef 2:10; 4:22-24; Hb 8:13; Fp 3:1-10).
7) V. 14: a serpente, um tipo de Cristo. (Jo 8:28; 12:32).
8) O v. 14 aponta para a centralidade da cruz de Cristo na pregação e na vida da Igreja. Não existe cristianismo sem cruz.
9) A mensagem dos apóstolos era baseada no Deus crucificado, o que para o mundo era um escândalo (1 Co 1:22-24). Quem não crê na mensagem da cruz não pode ser salvo (1 Co 1:18-21).

4. LIÇÕES IMPORTANTES DE JOÃO 3:16

Tendo em vista essa introdução e o contexto, podemos começar a responder a nossa pergunta inicial: “Por que Deus amou o mundo?” João 3:16 nos apresenta importantes lições a respeito do amor de Deus pelo mundo pecador e da nossa salvação.

LIÇÃO 1: Deus não tolera o pecado

1) João 3:16 não mostra apenas o amor de Deus, mas revela a sua intolerância com relação ao pecado do mundo. Deus amou o mundo e não o pecado do mundo, com seus sistemas de valores que geram morte.
2) O pecado diz respeito à transgressão, rebelião e insubordinação, violação da Lei, hostilidade contra Deus e a sua Palavra, traição e abominação.
3) Deus não tolera o pecado. O amor de Deus não o torna um ser complacente e permissivo. Este amor é regido por princípios morais eternos e imutáveis expressos na sua Palavra.

LIÇÃO 2: Precisamos ser regenerados

1) A resposta à nossa pergunta inicial é: “Todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm 3:23). Deus enviou o seu Filho ao mundo porque somos pecadores, porque tínhamos uma dívida impagável para com Ele e porque somente a morte do Cordeiro de Deus poderia pagar essa dívida e nos tornar de novo agradáveis a Deus, reconciliando-nos com Ele.
2) Ef 2:1 (Ele vos deu vida...); Rm 5:8 (Deus prova o seu próprio amor para conosco...).“Nisto está o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados” (1 Jo 4:10). 
3) O que é a regeneração? “Regeneração” é outro termo utilizado para nos referir a esse novo nascimento. Ela parte da necessidade que o homem caído tem de voltar a viver, de reverter o quadro de morte causado pela Queda. Essa regeneração é operada por Deus e pode ser vista já no Antigo Testamento: “Dar-lhes-ei um só coração, espírito novo porei dentro deles; tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei coração de carne” (Ez 11:19).

LIÇÃO 3: A nossa fé é um dom de Deus

1) João 3:16 nos remete à eleição para a salvação: Deus nos escolheu e nos predestinou para a salvação de acordo com o “beneplácito da sua vontade” (Ef 1:4,5).
Para não perecermos, para sermos regenerados, precisamos crer. Mas como um morto pode vir a crer para a salvação? Precisamos entender a natureza dessa fé.
Efésios 2:8,9.
2) A redenção é o resultado da busca de Deus pelo pecador, e não o contrário. Jesus afirmou após a conversão de Zaqueu: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). Estamos mortos em nossos delitos e pecados e é impossível que um morto seja capaz de buscar vida para si próprio (Ef 2:1). É Deus quem nos dá a vida.
3) João repete em sua epístola o que aprendeu com o próprio Jesus: “Nisso se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu filho como propiciação pelos nossos pecados” (1 Jo 4:9,10).

LIÇÃO 4: Deus nos dá a certeza da nossa salvação

João 3:16 descortina uma grande verdade: o cristão pode ter certeza da sua salvação e a garantia de jamais perdê-la.

1) 3:36: João Batista testifica que “quem crê no Filho tem a vida eterna”.
2) 5:24: “Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida”.
3) 6:39,40: “E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, e eu o ressuscitarei no último dia. De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho do homem e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia”.
4) 10:28: “Eu lhes dou a vida eterna, jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão.” Em sua oração sacerdotal, Jesus mostra que a autoridade que Deus lhe conferiu foi para que Ele concedesse a vida eterna a  todos os que Pai lhe deu (17:2).
5) 17:12: “Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.”

LIÇÃO 5: Nem todos crerão

1) Se existe um "não pereça", existe um "perecer". Perecer, do termo grego apoletai, significa destruir por completo, perder, arruinar. Está ligado à danação eterna daqueles que morrem sem Cristo.
2) O Evangelho não traz apenas uma mensagem de salvação, mas também de condenação para aqueles que não crerem em Jesus. Paulo afirma em 1 Coríntios 1:18: “Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus”. Em Romanos 1:16, Paulo fala que o Evangelho é poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. O que ele será para os que não creem?
3) Vs. 17,18: Jesus não veio para julgar o mundo, pois o mundo já se encontra sob julgamento por causa da Queda. Todos somos pecadores. Julgar (gr. krinó), é traduzido em outras versões como            “condenar”, o que revela o caráter condenatório do julgamento de Deus sobre os ímpios.
4) O juízo final não será um julgamento para decidir quem vem para o céu e quem vai para o inferno, mas a distribuição da justiça de Deus baseada num julgamento já presente (vs. 19-21). Aqueles que foram ovelhas de Jesus, selados com o Espírito Santo, comparecem diante de Deus livres de condenação por sua fé (Rm 8:1,2).
5) Os que não creram em Cristo comparecerão diante do trono de Deus para serem julgados por uma condenação na qual viveram e morreram. Estes perecerão, recebendo o castigo do inferno, a segunda morte (Ap 21:8).
6) Comparar vs. 5-7 com 1:11-13: aqueles que são de Cristo nasceram de Deus, o que significa que alguns não nascerão dele e perecerão.
7) V. 36: o testemunho de João Batista acerca de Jesus e do seu ministério confirma tudo o que o Senhor disse a Nicodemos.

5. CONCLUSÃO

O objetivo de Cristo ao se dar pelo mundo não foi outro senão a glória de Deus. João 3:16 retira o homem do centro e coloca o Senhor Jesus, a mensagem da cruz. João 3:16 nos traz 3 grandes bênçãos:

1) Alegria. João 3:16 traz em si uma fonte inesgotável de alegria para o pecador em saber que Deus o ama, independente dos seus pecados (1 Co 15:19).
2) Esperança. A mensagem de João 3:16 é uma mensagem de esperança para um mundo desesperado, assegurando-nos que, em Cristo, o juízo da condenação é trocado pela justificação, o pecado é trocado pela justiça, a lei é trocada pela graça e a vida eterna se torna uma realidade. Cristo é a esperança da glória (Cl 1:27), a certeza de que ressuscitaremos para a vida eterna nos céus (1 Co 15:21,22,56; Rm 5:1,2; 6:23; Ef 1:18).
3) Confiança. Os decretos de Deus geram total confiança nos seus filhos. Eles são eternos de envolvem tudo o que irá acontecer, inclusive a nossa salvação. O sacrifício de Cristo na cruz é a concretização dos decretos eternos de Deus em um dado momento no espaço-tempo (cf. Mt 25:34; At 2:23; Hb 1:2; 9:26; Rm 3:25; 16;25,26; Cl 1:26; 2 Tm 1:9,10).


Mizael de Souza Xavier
Missionário



15 de abril de 2017






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, jamais comente anonimamente. Escrevi publicamente e sem medo. Faça o mesmo ao comentar. Grato.