terça-feira, 2 de junho de 2015

O NEVOEIRO - Final – E a verdade te libertará




E assim aconteceu naquela cidade tão pequena
Não havia mais velas acesas, nem procissões ou novenas
A Bíblia era copiada e entregue a cada morador
Que reunia a família e estudava a Palavra do nosso Senhor.

Findou-se a subserviência à tirania que os maltratava
Que com ameaças de excomunhão cada vida aprisionava
Libertos pelo Santo Espírito, eram livres verdadeiramente
Para servirem de coração a Deus e a Cristo somente.

Não demorou o nevoeiro para longe se dissipar
Deixando que o céu se abrisse para o sol os iluminar
Quanto mais liam e obedeciam as Palavras do Livro Santo
Mais risos eram semeados e diminuído o pranto.

As pessoas perceberam que podiam viver a verdade
Sem temê-la e sem serem escravas da sua religiosidade
Não mais queimariam bruxas, nem julgariam o seu irmão
Mas pregariam as boas-novas que levam à salvação.

Famílias foram reconciliadas, pecados foram abandonados
A esperança tornou-se brilhante como um dia ensolarado
A lição ali ensinada jamais iria ser esquecida
Enquanto eles meditassem na Palavra de Deus tão querida.

Mas é necessário dizer que também houve perseguição
Aquela cidade tornara-se um centro de peregrinação
Pessoas de todas as partes empreendiam longa viagem
Para ouvir a Palavra de Deus revelada em sua própria linguagem.

As autoridades de Roma prenderam o padre em grilhões
Ele foi injustamente acusado de promover fornicações
Julgado pelo Santo Ofício foi condenado por heresia
O seu destino foi a forca, que naquele tempo ainda havia.

Alguns moradores da cidade foram obrigados a fugir
Temendo um destino tenebroso para quem ousava infringir
As regras da Santa Sé contra pensamentos dissidentes
Quem atentasse contra o Concílio queimava no fogo ardente.

Outros temendo serem mortos negaram a fé abraçada
Voltaram às suas origens e mantiveram a boca calada
O prefeito fugiu da cidade e o delegado perdeu sua patente
Um novo Cardeal foi eleito, mais astuto que uma serpente. 

Muitos preferiram morrer ao negar o Senhor Jesus
Diziam: “Eu já não me pertenço, a minha vida está na cruz!”
O seu testemunho de fé conquistava outros seguidores
A semente que fora plantada dava frutos de muitos sabores.

Os moradores que haviam fugido levaram Bíblias escondidas
Assim a Palavra se espalhou, transformando muito mais vidas
Pessoas e cidades inteiras que viviam na escuridão
Agora podiam ouvir as palavras da redenção.

Este é o fim da história de uma cidade que acordou
Deixou cair todas as máscaras e do medo se libertou
Reconheceu os seus erros, mas deles não se fez cativa
Mesmo sofrendo perseguições, a cidade estava viva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, jamais comente anonimamente. Escrevi publicamente e sem medo. Faça o mesmo ao comentar. Grato.